Segundo uma fonte do SIC que falou sob anonimato ao NJOnline, o que terá motivado o crime, ocorrido há duas semanas, terá sido um relacionamento secreto que o marido da acusada, cujo nome não foi revelado, mantinha com vítima, de 26 anos.

Já o director do gabinete de comunicação do Ministério do Interior, Intendente Mateus Rodrigues, afirmou ao NJOnline que a vítima foi assassinada com dois disparos à queima-roupa, no bairro do Golf 1, comuna do Banga Wé, em Luanda, por dois jovens que circulavam numa motorizada.

Todavia, Mateus Rodrigues explica que, de acordo com as informações de algumas testemunhas que ocorreram ao local do crime, a vítima, antes de ser assassinada, teve uma forte briga com a suspeita.

“Depois, passadas algumas horas, apareceram os dois jovens e fizeram dois disparos que resultaram na morte da jovem”, disse o oficial em declarações ao NJOnline.

O responsável salientou, no entanto, que durante as investigações realizadas pela PN e o SIC, ficou provado que os dois jovens que efectuaram os disparos e se encontram foragidos da justiça, tinham sido vistos a conversar com a detida horas antes de a jovem de 26 anos ser assassinada.

“A suposta homicida foi indiciada e interrogada, mas ela garantiu que não teve nenhuma participação no assassinato a tiros da jovem de 26 anos. A detenção dela resultou em função das investigações levada a cabo pelo SIC naquela zona e porque temos relatos de algumas testemunhas que viram a suspeita a conversar com os dois presumíveis homicidas que fizeram os disparos”, explicou, acrescentando que a polícia e o SIC estão a trabalhar para identificar os dois homens que teriam cometido a execução.