O indivíduo, funcionário da Refriango, em Angola, durante uma viagem entre Lisboa e a capital angolana “pretendia ocupar três assentos para descansar e ouvir música, desejos que lhe foram frustrados. Ao não ver satisfeitos os seus desejos, reagiu violentamente contra os hospedeiros. “

Por se tratar de um réu primário e não existirem agravantes, a pena poderá ser suspensa e convertida numa multa de 8 800 dólares, escreve a Angop, citando o oficial de segurança da TAAG, José de Sousa, que esclareceu que o julgamento sumário ocorreu na 4ª Secção de Crimes Comuns.

Este é o segundo caso de vandalismo em voos da TAAG durante este ano. O primeiro aconteceu em Abril, envolvendo um cidadão angolano, de 39 anos de idade, condenado no dia 10, pelo Tribunal Municipal da Ingombota, condenado a quatro meses de prisão correccional por ter arrancado um dispositivo electrónico do Boeing 777-300 que fazia a rota Rio/São Paulo/Luanda.