Médico-legista aponta inconsistências na versão policial sobre morte de sobrinho de Abel Chivukuvuku

A explicação da Polícia Nacional para a morte de Lucas Chivukuvuku, sobrinho do presidente da CASA-CE, Abel Chivukuvuku, apresenta várias inconsistências, revelou ao NJOnline fonte da equipa de médicos-legistas do Hospital Josina Machel.
A informação prestada hoje pela Polícia Nacional, de que Lucas Chivukuvuku morreu na sequência de um acidente de viação, e não vítima de um assassinato como tem sido divulgado nas redes sociais, não bate certo com as marcas encontradas no cadáver pela equipa clínica do Hospital Josina Machel.

Segundo explicou ao NJOnline um dos médicos-legistas dessa unidade de Saúde, que teve acesso à autópsia, “o forte embate na região craniana” sofrido pela vítima é inconsistente com a teoria, apresentada pela Polícia, de que saltou do táxi, quando o mesmo seguia desgovernado.

Assumindo a possibilidade de Lucas Chivukuvuku ter morrido na sequência de um acidente de viação, o especialista defende que as mazelas apresentadas indicam que “parece ter sido atropelado por um camião”.

Paa além de duvidar da versão policial, o médico-legista garante que a Polícia não fez a reconstituição do acidente no local, no sentido de averiguar como é que a vítima terá caído e a que velocidade o suposto taxista seguia quando se deu o despiste.

“Nada disso consta do relatório médico, porque a vítima foi recolhida como desconhecida na via pública e encaminhada para a câmara cinco (área dos perdidos e achados) da morgue central de Luanda”, precisou o clínico.

O NJOnline continua a tentar ouvir, desde esta manhã, o líder da CASA-CE, Abel Chivukuvuku, que terá dito que o sobrinho, no âmbito das suas responsabilidades na Procuradoria-Geral da República, estava a ser fortemente pressionado “para adulterar processos”, acrescentando mesmo que no dia da sua morte levou para casa vários processos, que deveriam conduzir ao bloqueio de contas bancárias de algumas figuras sob investigação na PGR.

Questionada pelo NJOnline sobre esta informação, fonte da PGR confirmou que a vítima trabalhava na instituição, escusando-se a prestar mais dados.


Loading...
Input your search keywords and press Enter.

Com um gosto você fica por dentro de tudo