Mais um golpe de João Lourenço a José Eduardo dos Santos

O Presidente João Lourenço revogou o Despacho Presidencial n.º 58/15 que o seu antecessor José Eduardo dos Santos  aprovava  o contrato de 4 bilhões de dólares para o Consórcio CGGC & NIARA Holding,   ligado  a   filha Isabel dos Santos na Construção do Aproveitamento Hidroeléctrico de Caculo Cabaça (CGGC), na província do Kwanza-Norte.



Fonte: Club-k.net

Para construção da barragem Caculo Cabaça

Através do Despacho Presidencial n.º 79/18 que o Club-K, teve acesso, o actual Presidente da República autorizou “a modificação subjectiva do Contrato para a Construção do Aproveitamento Hidroeléctrico de Caculo Cabaça, com a saída das empresas CGGC & Niara Holding, Limitada e Boreal Investmente Ltd., ficando como parte única no contrato e respectivas prestações e responsabilidades à empresa Ghezouba Group Company.”

A China Gezhouba Group Corporation é um dos gigantes da construção da China. Tendo sido fundada em 1970, é membro nuclear da China Energy Engineering Group Co., Ltd., uma das mais importantes empresas estatais chinesas.

Na véspera em que ocorreu assinatura do acordo o Banco Industrial e Comercial da China, para pagar os serviços do consórcio para construção da barragem, o jornalista Rafael Marques de Morais alertava que isto “comprova que o presidente José Eduardo dos Santos usa sistematicamente os seus decretos e despachos para enriquecer de forma ilícita a própria filha.”

“Em suma, a Barragem de Caculo Cabaça será financiada e construída pela China. Então, qual é o papel de Isabel dos Santos no meio disto tudo? A filha do presidente não financia, não constrói. Portanto, não faz qualquer sentido nem tem justificação lógica ou racionalidade económica a participação de Isabel dos Santos. A única vantagem é da própria, que assim pode recolher uma percentagem significativa dos lucros da construção da barragem.”, escreveu o defensor dos direitos humanos.

Num dos  seus últimos actos como Presidente, José Eduardo dos Santos lançou a primeira pedra desta  barragem  no início de Agosto, semanas antes de abandonar o cargo que ocupou nos últimos 38 anos.

Nesta mesma altura Isabel dos Santos acusou o jornal “Expresso” de terrorismo jornalístico contra Angola, quando esta publicação portuguesa   denunciou que  ela era   detentora de 40% do projecto de 4,5 mil milhões de dólares para construção da barragem de Caculo Cabaça.

Loading...
Input your search keywords and press Enter.

Com um gosto você fica por dentro de tudo