Deputado da UNITA assaltado por meliantes armados em sua residência

O deputado da UNITA, Alcides Sakala Simões, foi recentemente assaltado em sua residencia, por cinco elementos armados que se fizeram passar por agentes do SIC (Serviço de Investigação Criminal). Os meliantes terão neutralizado o seu guarda costa provocando um drama como o próprio descreve na primeira pessoa.

“A situação político-social do país continua crítica. Sobem os níveis de violência e de criminalidade nos centros urbanos. As autoridades angolanas têm dificuldades em lidar com este novo tipo de conflito. Generaliza-se o sentimento de insegurança no seio da população.

No dia 6 de julho do corrente ano, por volta das 19 horas, fui vitima de um assalto brutal, violento, a mão armada, no momento em que entrava na garagem da minha casa para estacionar a viatura. O assalto foi executado por cinco indivíduos, uniformizados com trajes da policia nacional que se fizeram passar por elementos da DINIC.

Os três homens armados agrediram violentamente o segurança que acabava de abrir o portão, mas soube defender-se com valentia, enquanto os outros dois no interior cercavam a viatura. Mantive muita calma enquanto o individuo batia insistentemente no vidro da viatura do lado em que me encontrava. Pedia teimosamente o relógio, dizendo” chefe, o relógio, chefe, o relógio”. Já com o relógio em sua posse tirado a esticão e não satisfeito, como notava no seu semblante, parecia pretender outra coisa. Mas estavam muito apressados. Era percetível a pressão das circunstancias em que decorria o assalto.

Foi neste momento que tocou o meu telefone. Pediu imediatamente o telefone. Deixaram o local precipitados, tendo deixado cair ao chão, um dos casacos que tinha no banco de trás. Até roupa levaram. Felizmente não houve feridos nem mortos a lamentar, tal era o propósito dada a impetuosidade com que se apresentaram. A policia pareceu no local do crime horas mais tarde para a devida peritagem.”


Loading...
Input your search keywords and press Enter.

Com um gosto você fica por dentro de tudo