“Afinal, é-nos apresentada mais uma mentira do Jornal de Angola! Até quando o director do Jornal de Angola, o senhor Vítor Silva, vai insistir em manter os angolanos mal informados? O Jornal de Angola é dos angolanos, os salários e papel para imprimir o Jornal de Angola são pagos com os impostos do cidadão. A informação tem que vir correcta, factual e imparcial”, escreveu Isabel dos Santos.

“Estão a tirar a credibilidade do Jornal de Angola. Até quando vai continuar essa desinformação? Sensacionalismos não! Verdades e factos sim”, afirma a empresária, que volta assim a atacar o diário estatal, tal como já tinha feito em 2017, depois da publicação, pelo Jornal de Angola, de editoriais arrasadores para a sua gestão de 17 meses na Sonangol.

O porta-voz do MPLA negou ontem, em Luanda, que tenha sido rejeitada a proposta apresentada pelo líder do partido dos “camaradas”, para a realização de um congresso extraordinário sobre a transição da liderança do partido.

Norberto Garcia reagia a notícias divulgadas, na sexta-feira, depois de o presidente do MPLA, José Eduardo dos Santos, ter proposto a realização de um congresso extraordinário para Dezembro deste ano ou Abril de 2019.

O calendário foi apresentado pelo líder dos “Camaradas” na abertura da 5.ª sessão ordinária do Comité Central do MPLA, que decorre em Luanda, no Complexo Turístico Futungo 2.

O anúncio de José Eduardo dos Santos desfaz rumores de uma saída iminente, e contraria a ideia de que perdeu o controlo do partido.

Numa demonstração de força, o ex-Presidente da República adiantou que quer estar envolvido, pessoalmente, no processo de realização das primeiras eleições autárquicas no país.

“Assim, recomendo, por ser mais prudente, que a realização do congresso extraordinário do partido, que vai resolver a liderança do MPLA, seja em Dezembro de 2018 ou Abril de 2019”, disse José Eduardo dos Santos, sem avançar mais pormenores sobre este processo.

Recorde-se que José Eduardo dos Santos anunciou a saída da vida política em 2018, na abertura da 11.ª sessão ordinária do Comité Central do MPLA, em Março de 2016.