A informação de que o BNI tinha disponível uma linha de crédito de 50 mil milhões de dólares para financiar projectos empresariais em Angola, iniciativa alegadamente associada a capitais tailandeses, foi desmentida pela instituição bancária, que alertou as autoridades para a utilização fraudulenta do seu nome.

Na sequência da denúncia, a Procuradoria-Geral da República (PGR) iniciou uma investigação que conduziu à detenção de cinco cidadãos, sob suspeitas de burla.

O caso foi confirmado pelo próprio BNI, que, através de uma nota, esclareceu que tomou conhecimento, através das redes sociais, da utilização do seu nome numa “operação internacional de elevado montante, proposta por uma empresa tailandesa e destinada a projectos a realizar em Angola”.

Na mesma mensagem, o banco adianta que cumpriu as “boas práticas internacionais no domínio de compliance”, encaminhando o processo para as entidades competentes.