Inspirado na história do chamado “Príncipe dos Ladrões”, popularizado por tirar dos ricos para dar aos pobres, o recém-lançado Índice Robin Hood, da agência financeira Bloomberg, coloca as fortunas de 49 bilionários de todo o mundo ao serviço do povo – aqui representado pelo Estado.

Num assumido “exercício intelectual”, o Índice é construído a partir de uma pergunta: Quantos dias o Governo de um país conseguiria funcionar apenas com a riqueza do seu cidadão mais abonado?

A resposta oscila entre 4, no caso da China, e 441, no caso do Chipre, indica a análise efectuada a 49 estados, Angola incluída.

Segundo o Índice, a fortuna Isabel dos Santos, avaliada em 2,5 mil milhões de dólares, daria para governar Angola por 30 dias.

O cálculo considera a média diária de gastos do Executivo (83,7 milhões de dólares), o Produto Interno Bruto (138,2 mil milhões de dólares) e a percentagem desse PIB absorvida pelas despesas governamentais (22,1%).

Os dados utilizados, explica a Bloomberg, resultam do Índice de Bilionários da Bloomberg e das estatísticas do Fundo Monetário Internacional.