José Eduardo dos Santos discursava durante a reunião do secretariado do Bureau Político (BP) do MPLA que contou com 86 dirigentes dos comités provinciais do partido, e entre outros assuntos, foram abordadas matérias relacionadas com a vida interna da organização, previstas para o período 2018/2022.

Numa reunião onde o presidente do MPLA, José Eduardo dos Santos, e o seu vice-presidente e Presidente da República, João Lourenço, se mostraram bem dispostos numa conversa informal, momentos antes da abertura formal dos trabalhos, o líder dos “camaradas” defendeu que “o partido deve ajudar as iniciativas do Governo que visam o desenvolvimento da economia, criação de pequenas e médias empresas e o fomento do emprego”.

O presidente do MPLA, que direccionou a sua intervenção sobre a vida interna da organização, reiterou que o partido deve apoiar o Executivo no seu esforço para o desenvolvimento do país.

José Eduardo dos Santos defendeu o reforço do partido que sustenta o Governo desde 1975, apelando ao continuo crescimento das suas estruturas de base.

O presidente do MPLA fez referência à decisão tomada em 2009 pelo partido em mover as suas células nas empresas para locais de residência dos militantes, admitindo que isso “criou um certo transtorno a nível da organização”, mas sublinhou igualmente que esse passo não impediu o crescimento do seu partido em todo o território nacional.

Participaram na reunião, para além de dos Santos, o vice-presidente do MPLA e Presidente da República, João Lourenço, o secretário-geral do partido, Paulo Kassoma, os secretários do Bureau Político e os antigos primeiros-secretários dos comités provinciais de Cabinda, de Luanda, da Lunda-Sul e do Moxico.

Numa altura em que o MPLA tem repetido semanalmente este tipo de reuniões, por duas numa semana, fonte da direcção do MPLA disse ao Novo Jornal Online que a regularidade das reuniões do Bureau Político nos últimos dias tem a ver com o anúncio da realização das eleições autárquicas dentro desta legislatura.

Desta forma, negando que estes encontros sucessivos tenham a ver com qualquer crise interna que o partido esteja a atravessar, como chegou a ser veiculado nas redes sociais, tendo mesmo levado o MPLA a publicar no seu site , uma nota a criticar aquelas que propagam difamação e intrigas.

“O momento é para o partido afinar a máquina tendo em vista as autarquias. É normal haver estes encontros regularmente a nível do partido”, acrescentou a fonte.