Now Reading:
Jornalista Gustavo Costa: o mercenário de Manuel Vicente

Jornalista Gustavo Costa: o mercenário de Manuel Vicente

O jornalista do Expresso e do Novo Jornal em Angola, pago a peso de oiro para defender e promover a imagem do ex-vice presidente de Angola, usa o Expresso, jornal de primeira água em Portugal, para vender o seu peixe podre e consegue de forma desavergonhada o seu intento de defender o multimilionário Manuel Vicente, pintando-o como vítima do anterior regime cleptocrático de Angola, e não como seu usurpador.

Tudo começou nas vésperas da indicação de Manuel Vicente para número dois de José Eduardo dos Santos nas eleições de 2012 em Angola. Com a saída de Vicente da Sonangol para o governo (notícia publicada em primeira-mão por Gustavo Costa no Novo Jornal angolano) e estando já previsível a indicação deste para o número um da lista, Gustavo Costa foi contratado pelo enteado de Manuel Vicente, Mirco Martins (também sob investigação em Portugal) para a função de defensor, na imprensa, da escolha do mesmo para substituir José Eduardo dos Santos. A estratégia consistia em fomentar narrativas que caracterizassem Manuel Vicente como o sangue novo para substituir o velho a troco da nada módica quantia de 50.000 USD (cinquenta mil dólares) por mês, pagos em Portugal. E Gustavo Costa fez do Novo Jornal o panfleto da campanha de Manuel Vicente e do Expresso, de forma mais disfarçada, sempre entre ataques ao regime de José Eduardo dos Santos por quem nutre um ódio amargo.
Entre os corredores do poder e da imprensa angolanos comentou-se que a saída de Vitor Silva do cargo de director geral do Novo Jornal para cedê-lo a Gustavo Costa foi justamente para permitir um controlo absoluto da agenda editorial a favor de Manuel Vicente, com o reforço mais tarde de um outro jornalista, Manuel António.



Com decorrer dos escândalos que envolveram Vicente nas malhas da justiça por corrupção activa, Gustavo Costa manteve o posicionamento de modo a convencer o ex-vice presidente de Angola da sua contínua serventia enquanto mercenário e ponta de lança da imagem de Manuel Vicente.
Terá a certa altura de indecisão demonstrada pelo círculo de Vicente quanto à sua utilidade, oferecido os seus serviços a Isabel dos Santos, mas não obtendo qualquer resposta, Gustavo Costa voltou energicamente à carga defendendo Manuel Vicente em tudo quanto de seu é publicado em Portugal e em Angola, e atacando Isabel dos Santos o pai e o regime de que insiste em excluir o seu patrão.
Decidiu não perder uma única oportunidade para tentar reavivar o seu patrão caído em desgraça, o exemplo mais recente foi a referência a meio de um artigo sobre o novo presidente, de que Manuel Vicente é hoje uma peça-chave na governação de João Lourenço, por dominar dossiers que segundo ele, Lourenço não poderá ignorar. Noutros textos caractiza Manuel Vicente como vítima de José Eduardo dos Santos e até de Isabel dos Santos a quem chama princesa e acusa de ganância como se o seu chefe, famoso pelo frete de aviões para transporte exclusivo dos seus vinhos Petrus, fosse melhor.
É por causa desse mercenarismo vergonho e milionário encoberto de jornalismo que Gustavo Costa nunca foi capaz de escrever qualquer crítica contra o ex-vice presidente angolano apesar de se apresentar como um dos maiores críticos da cleptocracia em que Angola se tinha tornado e apesar de Manuel Vicente ser conhecido como o angolano que mais enriqueceu com a corrupção e com o desvio dos dinheiros do erário público daquele país que lidera a mortalidade infantil e que é conhecido pela pobreza. Prova acabada de que o jornalista está a soldo, está no que escreve de forma mais disfarçada no Expresso, com referências mais singelas e metidas a meios, mas mais evidente no semanário angolano.
Se não pelo Novo Jornal e o jornalismo em geral pelo menos o Expresso, que é um título que construiu a sua reputação a custo do profissionalismo de muitos, merecem bem melhor. Que essas práticas não se tolerem.

POR:José Costa| Lisboa 03.01.2018

Loading...
Input your search keywords and press Enter.

Com um gosto você fica por dentro de tudo