A notícia, assim como ela acontece

Gociante Patissa lança no Brasil coletânea de contos que retratam parte da história e cultura de Angola

Gociante Patissa já é um autor conhecido por alguns leitores brasileiros, tanto por aqueles que acompanham seu perfil nas redes sociais quanto por quem leu seu primeiro livro publicado no Brasil: a coletânea poética “Almas de porcelana” (Penalux, 2016). Dessa vez, nesta nova obra, o escritor traz ao leitor brasileiro sua produção em prosa.

Numa instigante coletânea de contos, Gociante Patissa transporta os leitores para os contornos de uma Angola imprevisível. Em catorze temas, o escritor angolano tricota os cordões que passam pelo registro da memória coletiva, incluindo aí a recriação de uma guerra civil de três décadas, a qual o arrancou aos sete anos de sua terra natal. Também se encontram em sua escrita os desafios do pós-conflito e de cidadania na antiga colônia portuguesa situada na África austral. A província de Benguela e a região etnolinguística Umbundu são o cenário da generalidade dos contos.

“A ideia da publicação destes contos”, conta o autor, “nasceu durante a minha presença na Feira Internacional do Livro de Frankfurt, Alemanha, em 2016. Nessa ocasião, em correspondência com os editores da Penalux, com a qual tive o grato prazer de publicar, no Brasil, a coletânea de poemas intitulada Almas de Porcelana, foi sugerido o desafio de uma nova experiência em prosa”.

Dessa forma, o escritor reuniu um conjunto de catorze contos e uma fábula, do qual fazem parte alguns textos dispersos em antologias; como, por exemplo, o conto que dá título ao livro, “O Homem Que Plantava Aves”, texto que fez parte da antologia “Angola 40 Anos, 40 Contos, 40 Autores”, publicada no ano de 2015 em comemoração ao quadragésimo aniversário da independência do jugo colonial português.

Na ficção de Patissa, além das referências autobiográficas, há muita menção à cultura Umbundu, língua-pátria do autor, que também é fluente no Inglês. A obra atravessa temas complexos, como as memórias da guerra civil ou as sequelas do pós-conflito, expondo a natureza humana às suas contradições e misérias.

 Na opinião dos editores, a literatura de Gociante alcança um valor universal, ao mesmo tempo em que abre para o leitor brasileiro uma via de acesso à cultura e história angolanas, mas pela ótica de um observador nativo, oriundo das camadas mais pobres do seu povo. “É o segundo livro que publicamos do autor. Uma das vozes mais atuantes na literatura angolana contemporânea”.

Resta, agora, aos leitores do Brasil, conhecer e comprovar a qualidade literária desse escritor.

FONTE: LIVRE OPINIÃO

você pode gostar também
Loading...

Com um gosto você fica por dentro de tudo