Soltos elementos envolvidos em casos de intolerância política em Benguela

Catorze feridos, mais de vinte imóveis vandalizados, entre casas e lojas, são as marcas da violência ocorrida há dois meses no município do Bocoio, onde várias famílias chegaram a abandonar as suas zonas de residência.

A UNITA, como se sabe, continua a apontar o dedo ao MPLA, partido no poder, mas a Polícia Nacional, segundo o porta-voz do Comando Provincial de Benguela, intendente Pinto Caimbambo, não olha a cores partidárias.

“Para nós não diz respeito. Devo dizer que um foi acusado por ofensas corporais voluntárias e três por furtos. Estes elementos foram soltos sob termo de identidade e residência. Nós, como sabem, não soltamos, cumprimos o nosso papel, de deter e entregar a quem de direito’’, ressalta Caimbambo.

Preocupado, mas indiferente a críticas relativas a suposta apatia das autoridades religiosas, está o bispo católico, Dom Eugénio Dal Corso, que pretende confrontar versões opostas sobre o caso.

“Não recebi críticas directamente, mas posso assegurar que me interessei logo no início. O problema é que um diz uma coisa e outro diz outras coisas. Os padres em Monte Belo fazem uma investigação sobre o que realmente aconteceu. Depois, com todos os dados, vou ao local falar claramente’’, realça o bispo.

Com o MPLA a optar pelo silêncio, a UNITA fez saber, ainda antes da eleição de Angola para o Conselho dos Direitos Humanos, que tenciona encontrar nas Nações Unidas uma solução para ‘’tantos casos de intolerância política’’, conforme garantiu o deputado Adalberto da Costa Júnior.

Loading...
Input your search keywords and press Enter.

Com um gosto você fica por dentro de tudo