Dívidas do Governo angolano com às companhias aéreas superam os 237 milhões de dólares

As dívidas de Angola às companhias aéreas subiram 43,4%, passando dos 237 milhões de dólares, em Junho do ano passado, para os 340 milhões, em Junho deste ano. A informação é da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA).

Em Junho do ano passado, Angola era o quinto país do mundo com mais fundos retidos às companhias aéreas, que não pagava há sete meses, acumulando dividendos de 237 milhões de dólares, valor que as transportadoras não conseguiam repatriar, como noticiou, na altura, o Novo Jornal Online.

Os dados constavam de um comunicado da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), e colocavam Angola numa lista de países liderada pela Venezuela, com 3.180 milhões de dólares (16 meses sem transferir dividendos), seguida da Nigéria (591 milhões de dólares, sete meses), Sudão (360 milhões de dólares, quatro meses) e Egipto (291 milhões de dólares, quatro meses).

No mesmo comunicado, a IATA, que representa 264 companhias aéreas e 83% do tráfego global, afirmava que pediu aos governos “que respeitem os acordos internacionais que os obrigam a garantir que as companhias aéreas sejam capazes de repatriar suas receitas”.

Várias companhias, como a portuguesa TAP, já só aceitam pagamentos em moeda nacional exclusivamente para viagens que se iniciam em Luanda. A espanhola Ibéria, alegando redução de passageiros, deixou de voar para a capital angolana no final do mês de Maio de 2016.

“A repatriação eficiente das receitas é fundamental para que as companhias aéreas sejam capazes de desempenhar os seus papéis como um catalisador para a actividade económica. Não é razoável esperar que as companhias aéreas invistam e operem em países onde não podem colectar eficientemente o pagamento pelos seus serviços”, disse Tony Tyler, director-geral da IATA, citado no mesmo comunicado da associação.

Apesar de reconhecer tratar-se de um problema provocado particularmente pela quebra das receitas petrolíferas, Tony Tyler avisa os países com mais verbas retidas que é “do interesse de todos garantir que as companhias aéreas sejam pagas no prazo e com taxas de câmbio justas”.

“Uma coisa que todos os cinco países têm em comum é a necessidade urgente de conectividade aérea robusta que está a ser prejudicada pela dificuldade das companhias aéreas na repatriação de fundos.

Conectividade forte é um facilitador económico e gera benefícios económicos e sociais consideráveis. Algo que economias em dificuldades precisam mais do que nunca”, afirmava o director-geral da IATA em 2016.

você pode gostar também

Comentários

Loading...

Com um gosto você fica por dentro de tudo