Professores da província do Bengo em greve por tempo ilimitado

Os professores do ensino geral da província do Bengo, arredores de Luanda, entraram esta segunda-feira 5 de Junho em greve por tempo indeterminado.

Desde Abril este é o terceiro movimento de greve dos professores do ensino geral na província do Bengo, que aderiram em massa à greve nacional entre 5 e 7 de Abril e posteriormente entre 25 de Abril e 5 de Maio, mas o movimento foi suspenso a 29 de Abril.

Desta vez a greve é por tempo indeterminado segundo o porta-voz do SINPROF na província do Bengo Mbaxi Paulino Mateus afirma que a adesão hoje supera os 90% dos 2592 professores do Bengo, admite que os professores “não vão recuar até ao pagamento total das dívidas, se levar 2 a 3 meses, nós vamos ficar 2 ou 3 meses em greve” ” estão dispostos a “usar mecanismos legais para exigir o pagamento do que nos é de direito“.

Professores do Bengo reclamam:

 pagamento de subsídios em atraso desde 2016, como prometido no respectivo memorando de entendimento que levou à suspensão do movimento de greve no ano passado

protestamcontra os descontos de 4 dias por faltas efectuados aos professores grevistas ou não

contra a exoneração de 12 coordenadores de disciplina por terem participado de forma activa nas duas fases da greve a nível nacional

contra a retirada das quotas sindicais do sistema de pagamento de salários

exigem a demissão do director provincial da educação António Quino.

você pode gostar também

Comentários

Loading...

Com um gosto você fica por dentro de tudo