Novos agentes de trânsito em Luanda, “gasosa” antiga

Nove meses depois da chegada dos novos agentes da polícia de trânsito, o problema da corrupção nas ruas de Luanda não parece ter fim à vista: os agentes continuam a cobrar a chamada “gasosa” aos automobilistas. A denúncia é da Associação Nova Aliança dos Taxistas de Angola. Esta é uma das classes mais visadas nesta prática.

“Agora, só mudaram de tática”, diz Geraldo Wanga, presidente da associação.

Segundo o responsável, a nova estratégia é a seguinte: “O agente detém o cidadão, retém os documentos e fá-los chegar ao piquete. É no piquete que há a negociação, porque já estão entre quatro paredes.”

© Fornecido por Deutsche Welle

Para se evitar esta “tática”, a Direção Provincial de Inspeção do comando de Luanda proibiu que os agentes circulassem com os documentos dos cidadãos além de trinta metros do local da interpelação, mas a medida não parece ter sido acatada.

Apelo aos taxistas e agentes de trânsito

Muitos automobilistas conduzem táxi sem carta ou sem a licença necessária e, quando são interpelados pela polícia, recorrem à “gasosa” para se livrarem da notificação e, consequente, da apreensão dos documentos.

Geraldo Wanga deixa, por isso, um apelo aos taxistas e aos agentes reguladores de trânsito: “É importante que estejamos devidamente legalizados. Além disso, os agentes reguladores de trânsito devem ter uma atitude pedagógica.”

Sinalização das paragens

Entretanto, o líder associativo aproveita para recordar uma revindicação antiga dos taxistas: a sinalização das paragens de táxis. O processo já está em curso na capital angolana, mas das mil paragens acordadas nas negociações entre as associações profissionais e o Governo provincial, só quatrocentas foram fixadas. E a sinalização está a ser feita sem a participação da classe, refere Wanga.

“Têm estado a fixar paragens em locais inapropriados, onde nós não estamos de acordo, e que são bastante limitadas”, afirma o responsável, que defende a realização de um estudo para se pôr fim ao diferendo que remonta a 2015.

Nesse ano, os taxistas fizeram uma greve em Luanda para reivindicar a indicação das paragens, o fim das multas arbitrárias passadas pela polícia e a subida das tarifas, mas a maioria dessas exigências não foi cumprida.

A DW África tentou ouvir a polícia e o Governo da província de Luanda, sem sucesso.

por:content_author: Manuel Luamba (Luanda)

Loading...
Input your search keywords and press Enter.

Com um gosto você fica por dentro de tudo