Abusos sindicais no Huambo: uma “batata quente” nas mãos do governador

Posted on Janeiro 06, 2017, 7:55 am
FavoriteLoadingAdd to favorites 2 mins

O governador JBK será, em breve, confrontado com um dossier que, à luz da lei, configura uma situação de INJUSTIÇA e VIOLAÇÃO dos DIREITOS SINDICAIS de MILHARES de PROFESSORES e FUNCIONÁRIOS da EDUCAÇÃO da província do Huambo.
Desde há vários anos que os trabalhadores deste sector têm sofrido descontos ARBITRÁRIOS de DOIS 2% nos seus SALÁRIOS, para o pagamento de uma TAXA SINDICAL a favor de um tal Sindicato da Educação, Cultura, Desportos e Comunicação Social do Huambo, sem que eles tivessem aderido livremente à referida instituição sindical. O «esquema», segundo fontes locais, contará com a conivência de alguns funcionários Delegação das Finanças, que procedem a retenção dos valores na fonte.
Consta que uma fatia considerável dos «abates salariais» feitos por a favor desta organização – que tem à testa o Secretário provincial da UNTA, Adriano dos Santos, terá servido para engordar fartamente os bolsos dos membros da direcção do dito cujo sindicato.
Acontece que muitos trabalhadores do sector nunca se reviram no referido sindicato e já manifestaram o seu desejo de se inscrever no SINPROF, que eles julgam representar melhor os seus interesses. Mas, os intentos caíram por terra, porque, ao que consta, haverá «muito boa gente» a besuntar-se do Regabofe sindical… No ano passado, o SINPROF reuniu todas as «PROVAS DO CRIME» e apresentou-as ao ex-governador Kundi Paihama, mas um dos «vice´s» lá do sítio entendeu inverter as posições e os lesados passaram de VÍTIMAS a CARRASCOS, e ainda por cima foram «agraciados» com a chancela política de «KWACHAS e ANTI-PATRIOTAS»…
Sabe-se, no entanto, que os lesados preparam-se para fazer uma nova investida junto do governador JBK, na esperança de que a LEGALIDADE, JUSTIÇA e A LIBERDADE SINDICAL sejam repostas. O assunto requer, sem dúvida, seriedade e sensatez, tendo em conta a fase bastante sensível da campanha pré-eleitoral, não sendo por isso avisado a manutenção de grandes bolsas de descontentamento/resistência.


Ilidio Manuel Manuel, jornalista.
Deixe seu comentario