França leva a julgamento vice-presidente da Guiné Equatorial por “ganhos ilícitos”

Posted on Janeiro 04, 2017, 6:16 am
FavoriteLoadingAdd to favorites 2 mins

A justiça francesa começou, esta segunda-feira, a julgar o vice-presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Nguema Mangue, por abuso de bens sociais, desvio de dinheiros públicos, abuso de confiança e corrupção.

O julgamento de “Teodorín”, como é conhecido o filho do presidente Teodoro Obiang Nguema Mbasogo é o primeiro julgamento francês sobre “ganhos ilícitos”.

O réu não compareceu à audiência. Na quarta-feira, o tribunal de Paris deverá pronunciar-se sobre o pedido da defesa para o adiamento do julgamento. Os advogados de “Teodorín“alegam que os prazos das audiências são “demasiado curtos” e não respeitam a lei, tendo em conta que o seu cliente declarou morada em Malabo, a capital da Guiné Equatorial.

Teodorin Obiang, the playboy son of Equatorial Guinea’s leader, goes on trial in France http://u.afp.com/4SZn 

Photo published for Playboy son of E.Guinea leader goes on trial in France

Playboy son of E.Guinea leader goes on trial in France

The playboy son of Equatorial Guinea’s leader, notorious for his extravagant taste in cars, homes and Michael Jackson memorabilia, goes on trial Monday in Paris charged with plundering his country’s…

yahoo.com

O inquérito teve como base uma queixa das associações Sherpa e Transparency International.

O vice-presidente é acusado de ter adquirido, em França, bens imobiliários, carros de luxo e obras de arte com dinheiros, alegadamente desviados dos cofres públicos da Guiné Equatorial.

“Teodorín” nega todas acusações.

Segundo os juízes de instrução, entre 2004 e 2011, cerca de 110 milhões de euros provenientes do Tesouro Público da Guiné Equatorial deram entrada na conta pessoal de “Teodorín”.

O julgamento está a provocar tensão entre os dois países. O embaixador de Malabo em Paris, Miguel Oyono Ndong Mifumu, avisou que o processo é “um julgamento político” e que constitui “um dano irreparável” nas relações bilaterais entre França e a Guiné Equatorial.

Com: AFP, Lusa; EFE

Deixe seu comentario