Compras de Angola ao exterior em queda

Posted on Maio 27, 2016, 12:51 pm
FavoriteLoadingAdd to favorites 4 mins
As importações de Angola caíram 33,26 por cento, no primeiro trimestre, em relação a igual período do ano passado, revelaram, ontem, dados do Conselho Nacional de Carregadores, com base em certificados de embarque emitidos em todo o mundo para a mercadoria destinada ao país.

[separator]

Os registos indicam que entraram em Angola 1.598.849,07 toneladas de produtos diversos, contra as 2.395.621,20 toneladas anteriores.
O cimento hidráulico, também designado “clinker”, principal matéria-prima para fabricação do cimento “portland”, foi o produto mais importado por Angola, durante o primeiro trimestre de 2016, fruto de um aumento de 18,49 por cento. O mercado angolano registou a entrada de 341.550 toneladas desse produto, contra as 288.240,83 toneladas em igual período do ano anterior. A importação de arroz caiu 21,41 por cento e de farinha de trigo 0,58 por cento.
A importação de carnes e miudezas incluindo frangos caiu 46,55 por cento. Entre os dez produtos mais importados, sete pertencem ao sector alimentar. Neste grupo está o açúcar, o óleo de palma, a farinha de cereais e as massas alimentares.
Entre os maiores importadores, a Nova Cimangola destacou-se na liderança, depois de um aumento de 23,58 por cento e suplantou a Angoalissar, que registou uma queda de 16,39 por cento. A companhia Niledutch foi a que mais carga transportou para o mercado nacional, num total de 186.915,68 toneladas. Comparado com o período homólogo do ano passado, nota-se uma redução de 50,70 por cento na carga transportada.
Entre os dez primeiros, apenas a CMA registou um aumento na carga transportada, com mais 81.376,73 toneladas que no período anterior e ascendeu ao segundo lugar, à frente da Maersk e da MSC. Em termos de unidades transportadas, a Niledutch também liderou, apesar de registar uma redução de 55,22 por cento. A companhia transportou para Angola 13.021,00 TEUs, contra as anteriores 29.080,00 unidades.

[separator]

China mantém posição

A China continua a ser o principal parceiro comercial de Angola, apesar de ter registado uma queda de 54 por cento nas suas exportações, comparado a igual período de 2015, refere o Conselho Nacional de Carregadores.
Portugal também registou uma queda de 44,63 e  manteve-se no segundo lugar, ao passo que a Coreia do Sul foi o terceiro maior mercado, numa lista em que aparecem ainda a Espanha, a Turquia, o Brasil, Bélgica, Tailândia e Índia. Entre os dez principais exportadores para Angola, a Espanha, Turquia e Estados Unidos registaram subidas nas suas exportações para o mercado angolano.
Por continentes, a Ásia ficou na primeira posição, suplantando a Europa. Do continente asiático chegaram ao mercado nacional  667.996,64 toneladas, contra as anteriores 1.270.806,99 toneladas.
As importações da Europa passaram de 683.139,00 toneladas para as actuais 594.509,18 toneladas. As importações do continente americano caíram 11,90 por cento, ao passo que as de África registaram uma queda de 51,64 por cento.
O Porto de Luanda registou uma redução de 34,03 por cento em produtos transportados em contentores de 20 pés, e de 49,96 por cento nos contentores de 40 pés, enquanto o Porto do Lobito teve uma queda de 46,44 por cento nos contentores de 20 por cento e de 62,97 por cento nos de 40 pés.
Em termos de unidades, o Porto de Luanda registou uma queda de 37,20 por cento em contentores de 20 pés e de 50,64 por cento nos contentores de 40.
No total, entraram no país, 29.843 contentores de 20 pés, contra 49.556 unidades anteriores. Nos contentores de 40, o número passou de 27.706 unidades anteriores, para os actuais 12.973 unidades.

Deixe seu comentario

6 Responses to: Compras de Angola ao exterior em queda

  1. Dezembro 21st, 2016

    Have you ever thought about publishing an ebook or guest authoring on other
    sites? I have a blog based on the same ideas you
    discuss and would really like to have you share some stories/information. I know
    my readers would appreciate your work. If you are even remotely interested, feel free to send me an e-mail.